DIDÁTICOS

O movimento Arts and Crafts e o movimento Art Nouveau na virada para o século XX estimularam a renascença em design de capas de livros que logo passou a influenciar a crescente indústria de livros de massa através de editoras na Europa, Londres e Nova York. Algumas das primeiras apresentações de um design de capas radicalmente modernos foram produzidos na União Soviética, durante a década de 1920, por vanguardistas tais como  Alexandr Rodchenko e El Lissitzky.

Outro influente designer de capas vanguardista foi  Aubrey Beardsley, que graças as suas surpreendentes capas para os primeiros quatro volumes da obra “The Yellow Book” revolucionou o conceito de design de livros.

Após a Primeira Guerra Mundial, os designers perceberam que a Ilustração Narrativa tradicional já não atendia às necessidades da época e reinventaram a comunicação gráfica para expressar a era da máquina e idéias visuais mais complexas, e logo a indústria de livros se tornou comercialmente competitiva.

No período pós-moderno, surgiram profissionais que trabalhavam segundo os princípios do Estilo Tipográfico Internacional, tipografia expressa o tema por meio de um vínculo inovador entre forma e função. "O resultado é forte, em termo visuais e conceituais, evocando as ideias do surrealismo e do construtivismo e ao mesmo tempo integrando tipos e imagem para criar um cartaz chamativo".

A era das vendas pela internet não diminuiu a importância da capa do livro, e agora continua a desempenhar seu papel de uma forma bidimensional digital, ajudando a identificar e promover livros on-line.

© 2023 por Silvia Blake. Orgulhosamente criado com Wix.com

bio_miolo